17.8.07

Uns versos

Sou sua noite, sou seu quarto
Se você quiser dormir
Eu me despeço
Eu em pedaços
Como um silêncio ao contrário
Enquanto espero
Escrevo uns versos
Depois rasgo

Sou seu fado, sou seu bardo
Se você quiser ouvir
O seu eunuco, o seu soprano
Um seu arauto
Eu sou o sol da sua noite em claro,
Um rádio
Eu sou pelo avesso sua pele
O seu casaco

Se você vai sair
O seu asfalto
Se você vai sair
Eu chovo
Sobre o seu cabelo pelo seu itinerário
Sou eu o seu paradeiro
Em uns versos que eu escrevo
Depois rasgo.

(Adriana Calcanhoto)

6 comentários:

Edna Federico disse...

É...quando amamos somos tudo!
Beijo

Otávio B. disse...

um poema que expressa a condição que, muitas vezes nem nos damos conta que somos...Jamais para nós mesmos, mas para os outros.As vezes é bom saber disso... Nos conforta e faz com que pensemos bem antes de levantar qualquer palavra, ou pensamento que possa magoar esse ser, mesmo que involuntariamente.

Muito obrigado, vamos almoçar.

BABI SOLER disse...

Essa letra é sensacional.
Vim navegando e parei aqui.
Adorei.

La Principessa disse...

nossa, não passo aqui faz séculos!

Lindo texto, mas todos já disseram isso...


:O

Baci

♥ Aubrey Fabbro ♥ disse...

Esse comentário acima é meu!!

xD

Minimim disse...

Foi algo perfeito, enquanto fazia bem.
algo que guardarei pra sempre.